24 janeiro, 2009

A TRETA DA MODERNIDADE

Segue aqui o relato de Sandro Barbosa do Nascimento, um ex-menino de rua que sobreviveu ao massacre da Candelaria (mas nao ao onibus 174) e que acompanhou de perto todo o conflito e disputa que marcou, e marca, essa nossa era que se diz moderna.
`Ate um pouco antes da tal revolucao industrial, Deus criador dominava a terra. Dentre as coisas que Ele criou estava o homem. Este, vaidoso e desejoso de poder passou a querer tambem criar. Os homens desejavam criar uma referencia de homem que pudesse tomar o lugar de prestigio que Deus ocupava. Sua primeira tentativa foi Frankenstein. Mas a pouca experiencia que os homens tinham na arte da criacao fez com que sua primeira tentativa de referencial humano, Frankenstein, nao saisse com uma cara la muito boa.
Depois disso, alguns alemaes tentaram novamente desafiar a soberania de Deus. Dentre eles estava um tal de Friedrich Nietzsche. Nietzsche passou a nao botar muita fe em Deus e passou a desenvolver a ideia da criacao do Super Homem. Boatos que Nietsh tinha matado Deus e criado o Super Homem comecaram a se espalhar. Os agentes infiltrados da CIA, sabendo disso, roubaram o projeto do alemao e fizeram algumas pequenas alteracoes, como a mudanca da cor da roupa, deste tal Super Homem, para vermelho, azul e branco. Apartir dai o tal Super Homem passou a salvar os homens no lugar de Deus.
Indignados com o roubo do projeto de Nietzsche, alguns de seus amigos e discipulos alemaes comecaram a tecer criticas a este tal Super Homem Americano. Um tal frances, de nome Michel Foucault, motivado pelas reclamacoes deste grupo de alemaes resolveu matar o tal Super Homem. Nao que ele gostasse de Deus e quisesse devolver o poder a Este, mas e que ele nao gostava mesmo era do tal Super Homem. Com uma pequena ajuda dos alemaes reclamoes la da cidade das Mercedes, Frankfurt, que disseram que a contradicao estaria dentro do proprio inimigo, Foucault foi ate a nave que o tal Super Homem chegou aqui na terra e pegou a tal da criptonita. Foucault enfiou a criptonita na cara do Super Homem que, sem moral, voltou para Washington. Entao, boatos que Foucault tinha matado o Super Homem comecaram a se espalhar.
Assim, Deus aparece de volta. Mas bem antes que Deus pudesse usufruir de sua volta triunfal a administracao dos negocios terrenos, Washington, tirando o azul da roupa do Super Homem e pondo barba e barriga falsa, enviam este de volta ao combate, agora com o pseudonimo de Papai Noel.
Desta vez, bancado pela Coca Cola e muito mais forte, o Super Homem (agora Papai Noel) tira Deus de vez do seu trono e lhe toma tudo, ate mesmo sua data de aniversario.
No final das contas, a `bomba` criada na disputa entre americanos e alemanhas, com uma pitada de intriga francesa, e logico, acaba estourando nas maos dos palestinos da Faixa de Gaza. Estes que nao tinham nada a ver com a coisa, acabaram pagando o pato. Tambem Deus nao se deu por vencido. Este prometeu voltar, mas a maioria da dos palestinos la da Faixa de Gaza botam fe em um outro Deus, e nao neste Deus que prometeu voltar.`


Por mim mesmo.

3 comentários:

leogarin disse...

Criativo mano! heheheh
Observei o personagem do Sandro Barbosa do Nascimento como se fosse o mesias, contando uma história e trazendo o contexto do ínicio da vida terrestre até os dias atuais.
Da hora mano.
O seu jeito de escrever me lembrou o do millor fernandez.

Walker disse...

Ai mano é a terceira vez que lí o seu texto;e, vou utilizar do vocabulário que o Millor exaltou acima para expressar a minha opinião: Mano, ficou bom "pra caralho"!!!
Abraços
is we

Kbça disse...

Valeu ai japa e Leo !!!!! que bom saber q vcs gostaram e obrigado por disperdicar um pouco do seu tempo por aqui !!!!!
Valeu trutas... sempre somando....
is we...